11 de outubro de 2017

A verdadeira fraternidade

1 Coríntios 16.13-14

Todos os vossos atos sejam feitos com amor. (v. 14)
A verdadeira fraternidade é a comunhão dos santos na qual todos somos irmãos e irmãs, tão chegados que seria difícil imaginar outra igual. Essa é a mais nobre fraternidade, aquela que supera todas as demais, a exemplo do ouro que supera o cobre ou o chumbo. Pois ali há um Batismo, um Cristo, um sacramento, uma Ceia, um Evangelho, uma fé, um Espírito, um corpo espiritual, e cada um é membro do outro. Nenhuma outra fraternidade é tão profunda e íntima. Talvez você pergunte: De que me adianta essa fraternidade se ela não me oferece algo especial? Resposta: Sirva à comunidade e às outras pessoas como convém ao amor, e você terá a recompensa desse amor sem qualquer procura ou desejo de sua parte. Agora, se o serviço e a recompensa do amor forem pequenos, isso é sinal que você não tem a fraternidade correta. O amor serve sem esperar nada em troca, razão por que Deus livremente lhe retribui todo o bem. Uma vez que, para ser agradável a Deus, tudo deve ser feito em amor, também a fraternidade deve estar no amor. Mas o que é feito em amor é de natureza tal que não procura seus interesses ou algum benefício pessoal, e sim o dos outros, de modo especial o da comunidade. Quanto mais você se der conta de que está sendo incorporado em Cristo e sua santa comunhão, tanto mais firmeza terá. E isso se dá à medida que você percebe que se fortalece na confiança em Cristo e seus amados santos, tendo a certeza de que esses o amam e estão a seu lado em todas as necessidades da vida e da morte. Por outro lado, se você sofre com o declínio dos cristãos e da igreja como um todo e com o afastamento de um cristão, e se o seu amor se dirige a todos e você bem que gostaria de ajudar a todo mundo, não odiando a ninguém, compadecendo-se de todos e orando por eles – nesse caso tudo vai bem. M. Lutero