08 de julho de 2002

A REVELAÇÃO QUE ROMPE FRONTEIRAS

João 4.15-26

O diálogo entre duas pessoas pode romper fronteiras e trazer uma revelação surpreendente. Jesus e uma mulher conversam junto a um poço. Aparentemente, trata-se de um encontro entre pessoas desiguais: um homem judeu conversa com uma mulher samaritana. Naquela época, era fora do normal tal diálogo entre um homem e uma mulher, bem como entre um judeu e uma samaritana, que não se davam por questões de raça, costumes e religião. Chama a atenção, igualmente, o assunto da conversa: a mulher quer a água que Jesus oferece, para nunca mais ter sede e para não mais ir até o poço no calor do meio-dia. Talvez, a samaritana tenha escolhido esse horário impróprio para não se encontrar com outras mulheres que também a marginalizavam, devido a sua história de vida: já teve cinco maridos e o que ela tem agora não é, de fato, seu marido. Jesus conhece a sua história de marginalidade e sofrimento. A mulher se surpreende com o seu conhecimento e o chama de profeta. O diálogo se desvia, então, da área pessoal e familiar para a religiosa. Jesus esclarece que a verdadeira adoração a Deus não se prende a um lugar: ele quer ser adorado em espírito e em verdade. A nova comunhão com Deus acontece quando cremos em Cristo, onde quer que estejamos. O diálogo com o Senhor rompe fronteiras, aproxima desiguais e traz a grande revelação: Jesus é o Messias, o Salvador prometido. O que essa revelação significa para você e para mim? Você já participou de um diálogo que rompe fronteiras, aproxima pessoas diferentes e revela algo novo?